Arquivo da categoria: Blog

Linha do tempo da história do design, segundo Charlotte & Peter Fiell

“[…] a evolução de um novo estágio no design nunca substitui completamente o antigo, mas se sobrepõe a ele. Esse é um padrão que se repete ao longo da história do design. Isso não só ajuda a explicar por que existe tal diversidade de conceitos e práticas de design na sociedade contemporânea, como também levanta a questão de até que ponto mudanças semelhantes surgirão no futuro….

Continue lendo Linha do tempo da história do design, segundo Charlotte & Peter Fiell

Mulheres na Segunda Guerra Mundial

A fotografia de Alfred Palmer mostra trabalhadoras responsáveis pelos acabamentos em bicos transparentes de aviões de bombardeio e combate na Douglas Aircraft Co. em Long Beach , Califórnia , em 1942 . The Museum of Fine Arts , Houston.
A fotografia de Alfred Palmer mostra mulheres trabalhando no acabamento de pontas de aviões de bombardeio e combate, na Douglas Aircraft Co. em Long Beach, Califórnia, 1942 . The Museum of Fine Arts, Houston.

Durante a guerra, mulheres assumiram funções estratégicas, seja trabalhando nas fábricas produzindo artefatos de guerra, seja cuidando de suas famílias e colaborando com as medidas de segurança e sobrevivência. Cartazes, revistas, filmes e desenhos animados funcionaram como propaganda de guerra, orientando e estimulando mulheres a ocupar um papel importante na manutenção do sistema bélico.

Continue lendo Mulheres na Segunda Guerra Mundial

Imagens do cotidiano da Grã-Bretanha durante a Segunda Guerra Mundial

 

Anúncio do biscoito Huntley and Palmer - "um alimento essencial em tempos de guerra".     1940.
Anúncio do biscoito Huntley and Palmer: “um alimento essencial em tempos de guerra”. 1940.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Grã-Bretanha entrou no grupo dos Aliados (junto com França, Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Índia, União Soviética, China, Polônia, Estados Unidos; posteriormente o Brasil iria fazer parte deste grupo) contra a Aliança do Eixo (Alemanha, Itália e Japão). A guerra começa em 1939 com a invasão da Polônia pelo exército alemão e termina em 1945, com vitória dos Aliados, após a invasão à Alemanha e o lançamento de bombas atômicas pelos Estados Unidos nas cidades de Hiroshima e Nagasaki no Japão. A Alemanha era então governada pelo partido nazista, liderado por Hitler, que pretendia dominar e controlar a Europa.

Continue lendo Imagens do cotidiano da Grã-Bretanha durante a Segunda Guerra Mundial

Streamlines: as linhas da modernidade

stream: fluxo, corrente
lining: alinhar, sinalizar, demarcar

O Streamlining foi uma tendência que marcou, principalmente, as décadas de 1930 e 1940. Inicialmente as formas arredondadas e aerodinâmicas foram aplicadas a trens, automóveis, aviões e bicicletas, com o objetivo de aumentar velocidade e potência.

A bicicleta do futuro (de baterias), projetada por Ben Bowden, foi exibida na seção "Design for the future" da exposição "Britain can make it", em 1946.
A bicicleta do futuro (de baterias), projetada por Ben Bowden, foi exibida na seção “Design for the future” da exposição “Britain can make it”, em 1946. A Grã-Bretanha arruinada durante o pós-guerra não teve condições de viabilizar a bicicleta de Bowden.

Continue lendo Streamlines: as linhas da modernidade

Leni Riefenstahl: uma cineasta para o Terceiro Reich

Autoretrato com uma câmera Leica.

A controversa passagem de Leni Riefenstahl pela história do cinema é também impressionante.

Isto porque Leni foi a principal artista por trás de muitos dos filmes considerados como propaganda nazista na década de 1930. Nascida em 1902, Riefenstahl era uma mulher peculiar para sua época. Foi dançarina, atriz, cineasta, fotógrafa, praticou ski, montanhismo e mergulho.

Continue lendo Leni Riefenstahl: uma cineasta para o Terceiro Reich

O primeiro close-up do cinema foi de um gatinho

The Sick Kitten (1903), de George Albert Smith.
The Sick Kitten (1903), de George Albert Smith.

A função do close-up é apresentar nuances de comportamento e emoção de um personagem que passariam despercebidos em enquadramentos mais abertos, como explica Gustavo Mercado no livro “O olhar do cineasta”. Estamos tão acostumados com o close-up no cinema que temos a impressão que ele sempre existiu. Mas os primeiros filmes usavam apenas planos gerais, reproduzindo a experiência de assistir a uma peça de teatro.

Continue lendo O primeiro close-up do cinema foi de um gatinho