Imagens do cotidiano da Grã-Bretanha durante a Segunda Guerra Mundial

 

Anúncio do biscoito Huntley and Palmer - "um alimento essencial em tempos de guerra".     1940.
Anúncio do biscoito Huntley and Palmer: “um alimento essencial em tempos de guerra”. 1940.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Grã-Bretanha entrou no grupo dos Aliados (junto com França, Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Índia, União Soviética, China, Polônia, Estados Unidos; posteriormente o Brasil iria fazer parte deste grupo) contra a Aliança do Eixo (Alemanha, Itália e Japão). A guerra começa em 1939 com a invasão da Polônia pelo exército alemão e termina em 1945, com vitória dos Aliados, após a invasão à Alemanha e o lançamento de bombas atômicas pelos Estados Unidos nas cidades de Hiroshima e Nagasaki no Japão. A Alemanha era então governada pelo partido nazista, liderado por Hitler, que pretendia dominar e controlar a Europa.

Como em toda guerra, milhares de pessoas inocentes morreram. A Segunda Guerra Mundial ficou marcada pelo Holocausto, o genocídio de pelo menos 6 milhões de judeus e pelas terríveis consequências do bombeamento atômico no Japão.

Nas principais cidades dos países envolvidos a vida ficou mais difícil, assustadora e imprevisível. Com toda a economia voltada para a produção de aviões, tanques e munição, o racionamento de alimentos e de outros produtos cotidianos era uma medida básica para manter a produção de suprimentos bélicos.

Em cidades como Londres,  as famílias que ficaram construíram abrigos anti-bombas em seus quintais e muitas eram as orientações de segurança: nenhum feixe de luz deveria escapar à noite, fitas adesivas nas janelas tinham o objetivo de prevenir o estilhaçamento dos vidros em caso de bombeamento, máscaras de gás e lanternas deveriam estar sempre a mão e evitar conversas sigilosas em público poderia salvar vidas.

Uma família carrega máscaras de gás em caixinhas, enquanto entram no abrigo anti-bombas do tipo "Andersen". 1939. © Hulton-Deutsch Collection/CORBIS
Uma família carrega máscaras de gás em caixinhas, enquanto entra no abrigo anti-bombas do tipo “Andersen”. 1939. © Hulton-Deutsch Collection/CORBIS
Este poster de 1940 indica as medidas de segurança que as pessoas deveriam seguir antes de dormir. Baldes de água e areia poderiam ajudar a apagar o fogo em caso de incendiamentos decorrentes de bombardeios.
Uma família toma chá em uma casa em East End, em setembro de 1940. Perceba as fitas adesivas na janela (usadas para evitar estilhaçamento em caso de ataque) e banana sobre a mesa (um alimento que logo estaria indisponível).
Uma família toma chá em uma casa em East End, em setembro de 1940. Perceba as fitas adesivas na janela (usadas para evitar estilhaçamento em caso de ataque) e banana sobre a mesa (um alimento que logo estaria indisponível).
Famílias eram orientadas a usar blackouts nas janelas ou qualquer material que impedisse a saída de luz pelas janelas durante a noite, impedindo que os "inimigos" localizassem seus "alvos" em caso de bombardeamento. Esta foto é de 1943, de uma garota chamada Doreen Buckner.
Famílias eram orientadas a usar blackouts nas janelas ou qualquer material que impedisse a saída de luz pelas janelas durante a noite, impedindo que os “inimigos” localizassem seus “alvos” em caso de bombardeamento. Esta foto é de 1943, de uma garota chamada Doreen Buckner.
Poster alertando para o fato de que espiões poderiam conhecer segredos importantes ouvindo conversas - sobre uma fábrica ou base áerea, por exemplo.
Poster alertando para o fato de que espiões poderiam conhecer segredos importantes ouvindo conversas – sobre uma fábrica ou base áerea, por exemplo.
Este poster orienta como manter-se seguro durante o "blackout", o apagar voluntário de todas as luzes como medida de segurança. Com a escuridão, mover-se ficava mais perigoso. A mensagem é: conte até 15 - para que os olhos se acostumem com a penumbra.
Este poster orienta como manter-se seguro durante o “blackout”, o apagar voluntário de todas as luzes como medida de segurança. Com a escuridão, mover-se ficava mais perigoso. A mensagem é: conte até 15 – para que os olhos se acostumem com a penumbra.

Eram comuns filas para a retirada de alimentos e peixe e carne bovina logo se tornaram escassos. Na Grã-Bretanha, o governo incentivava o cultivo de hortas urbanas e até os gramados da Torre de Londres foram usados para o plantio de alimentos. Também era incentivada a criação e consumo de coelhos, porcos, galinhas e patos. Algumas pessoas criaram “Clubes de porcos” para coletar restos de comida para alimentar criações destes animais, às vezes compartilhadas entre várias famílias. Até mesmo carne de baleia se tornou uma possível substituição na dieta alimentar e haviam latas disponíveis para o consumo.

Como muitos navios foram afundados e a prioridade era o transporte de artefatos de guerra, pouco espaço havia para a importação de alimentos e frutas como a banana, que logo desapareceu do cardápio. Havia uma caderneta de controle semanal de alimentos por pessoa e tudo que fosse adquirido deveria ser ali registrado. Outros produtos como sabonete e sabão em pó também eram controlados. No verão, as pessoas eram incentivadas a comer verduras e legumes crus para poupar os gastos com energia.

O governo também disponibilizou um livro de receitas para o período que incluía pratos como torta de nabo e bolo de cenoura; com a abundância de batatas e cenouras, surgiram muitas sugestões de como prepará-las.

Lata de ovos desidratados em pó. O Ministério dos Alimentos publicou receitas ensinando a fazer bolos com os ovos em pó.
Lata de ovos desidratados em pó. O Ministério dos Alimentos publicou receitas ensinando a fazer bolos com os ovos em pó. Cada lata continha o equivalente a 12 ovos.
Com o racionamento de alimentos, doces ficaram praticamente indisponíveis. Embora possam parecer sorvetes, estas crianças estão comendo cenouras em palitos.
Com o racionamento de alimentos, doces ficaram praticamente indisponíveis. Embora possam parecer sorvetes, estas crianças estão comendo cenouras em palitos.
Uma caderneta de controle de refeições com os alimentos para uma semana por pessoa. Inclui 4 tiras de bacon, um ovo, e porções de açúcar e manteiga.
Uma caderneta de controle de refeições com os alimentos para uma semana por pessoa. Inclui 4 tiras de bacon, um ovo, e porções de açúcar, manteiga e banha de porco.
Cartaz encorajando as pessoas a guardar restos de comida para alimentar porcos.
Cartaz encorajando as pessoas a guardar restos de comida para alimentar porcos.
Frutas e legumes de uma quitanda. Pouca era a disponibilidade de frutas e a placa indica que por isso estavam sendo ofertadas somente a crianças.
Frutas e verduras de uma quitanda. Pouca era a disponibilidade de frutas e a placa indica que as laranjas estavam sendo ofertadas somente a crianças.
O Ministério da Agricultura incentivava o cultivo de hortas domésticas.
O Ministério da Agricultura incentivava o cultivo de hortas domésticas.
Em tempos de guerra, carne de baleia era oferecida para substituir carne bovina e peixe. O produto vinha pronto para ser aquecido e consumido.
Em tempos de guerra, carne de baleia era oferecida para substituir carne bovina e peixe. O produto vinha pronto para ser aquecido e consumido.

Com a escassez de matéria-prima, as roupas ficaram mais simples com a redução de bolsos e botões, orientando-se o reuso e compra de peças usadas. Brinquedos gradualmente ficaram escassos, a medida que as fábricas conduziam suas produções para suprimentos de guerra.

Referências:

Deixe uma resposta